quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Em nome de ti

À água unimos nossas mãos
E as ondas repetindo os nomes
Mais humanos não fomos

Colher algas
Colher flores
Palavras ditas na areia
Quando só fica a maré cheia

Rostos
Que aproximam os desvios e
Correm como rios

Que o que na vida viva
Sejam as palavras os ninhos
E sobre as palavras os gestos
Sem mãos com que medimos















João Rodrigues
Fotografia: Maremfrente, 22.08.10

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Mensagem




Fotografia: Maremfrente, 15.08.10.

domingo, 15 de agosto de 2010

Vindima
















Mosto, descantes e um rumor de passos
Na terra recalcada dos vinhedos.
Um fermentar de forças e cansaços
Em altas confidências e segredos.

Laivos de sangue nos poentes baços.
Doçura quente em corações azedos.
E, sobretudo, pés, olhos e braços
Alegres como peças de brinquedos.

Fim de parto ou de vida, ninguém sabe
A medida precisa que lhe cabe
No tempo, na alegria e na tristeza.

Rasguem-se os véus do sonho e da desgraça.
Ergue-se em cheio a taça
À própria confusão da natureza.



Miguel Torga
Fotografia: Maremfrente.